.

.
.
Atenção redobrada: Cuidado com a "aparente tranqüilidade" que temos em dias festivos, principalmente no Carnaval.

Fortaleza, 03/02/2016 - Estamos nos aproximando de mais um feriadão de Carnaval, e neste período, a maioria dos grandes centros urbanos costumam ficar com um fluxo de veículos e pessoas bem abaixo da média habitual, pois muitos procuram um bom refúgio ou diversão, em casas que ficam em cidades serranas ou litorâneas.

No entanto, para nós que corremos e pedalamos em vias públicas, esta "aparente tranqüilidade urbana", deve ser vista sempre com ressalvas, principalmente se levamos em consideração alguns aspectos do nosso cotidiano, como: o elevado consumo de bebidas alcoólicas neste período, a imprudência no trânsito, e a segurança pública.

Particularmente, escrevo este texto com conhecimento de causa em pelo menos dois desses aspectos, "embora eu já tenha sido contemplado com um assalto, em outro momento". Mas em relação ao período de Carnaval, já me livrei de um acidente que poderia ter sido fatal. Neste dia, tive a plena convicção de que só sai ileso, porquê, "eu não estava utilizando fones de ouvido naquele momento". Sem este acessório, eu tive tempo suficiente "fração de segundos", para olhar para o lado, reduzir um pouco a minha velocidade de corrida, e perceber que algo estava errado.

Se eu estivesse ouvindo música, certamente eu teria sido atingido por um carro, "que nem estava tão rápido", mas que passou a poucos centímetros de mim, batendo o retrovisor em meu braço. Em seguida, o carro parou em um barranco no acostamento, e do seu interior saíram três jovens, sendo que o motorista estava visivelmente embriagado.

Depois disso, "sempre que possível", nunca recomendo a utilização de fones de ouvido em corridas ou treinamentos, principalmente em locais urbanos, pois no momento exato de um incidente, precisamos estar com os nossos sentidos e reflexos em alerta, livres. Hoje, só utilizo este acessório em trilhas, esteiras, ou locais em que vejo que há segurança.

Infelizmente, a maior parte dos nossos companheiros que sofrem acidentes no trânsito, são ciclistas, e para nós que corremos e pedalamos em ruas, avenidas e rodovias, só nos resta a sorte, a proteção divina, e a atenção redobrada, "não somente no carnaval", pois todos os dias estamos expostos a imprudências no trânsito, que quando acontecem, podem deixar seqüelas irreversíveis em nós desportistas, ou conseqüências irreparáveis para as nossas famílias.

Mas não vamos generalizar, dizendo que a culpa dos acidentes no trânsito, principalmente com pedestres e ciclistas, são somente dos condutores de veículos, (pois todos nós cidadãos, e o próprio governo), somos responsáveis por este tema polêmico, que já está passando da hora de ser tratado com mais prioridade, responsabilidade e rigor.

Enquanto eu estava finalizando esta matéria, vejo no facebook a mensagem com vídeo, de um horroroso atropelamento, que aconteceu nesta manhã de quarta-feira, 03/02/2016, na Rodovia Engenheiro Constância Cintra, em São Paulo. Vejam o vídeo abaixo, e observem que os ciclistas não tiveram a mínima chance neste atropelamento.

Outras matérias e vídeos relacionados:

Vídeo: Dois ciclistas são atropelados em acostamento de rodovia em São Paulo (cenas fortes), link...

Matéria: Cláudio Clarindo perde a vida enquanto treinava na Rio-Santos, link...

 

 

 

 

 

 

 

 

Portal do Corredor: O pioneiro web no norte e nordeste brasileiro, 2004 / 2016 - Todos os direitos reservados.

Nossas páginas oficiais: www.portaldocorredor.com.br e www.portaldocorredor.com
Fanpage, Portal do Corredor & CIA: www.facebook.com/portaldocorredor
Direção da empresa, Félix Luis: link...
Instagram: portal_corredor
Twitter: @portal_corredor
e-mail: portaldocorredor@gmail.com

Nossos números:

Site: 12 anos de atividade, com matérias regionais e nacionais; 215 eventos divulgados até janeiro de 2016. link...
Fanpage: Mais de 1.000.000 (um milhão), de pessoas alcançadas em apenas 02 anos de atividade. link...
Mailling: Aproximadamente 23 mil e-mails para envios regulares.
Nosso público (2015): 54% mulheres, 46% homens.